Brasil – MP instaura inquérito para apurar falha da FAB para deter avião jogado em shopping de Goiânia

Jornal Hoje, O Globo

    if (qtdrec != ”) { //var mediarec = (parseInt(notasrec)/parseInt(qtdrec)) media_estrelas_recomendar(qtdrec, notasrec); } else { media_estrelas_recomendar(1,0); }

Reprodução TV Globo/O Popular

SÃO PAULO – O Ministério Público instaurou inquérito para apurar a atuação da Força Aérea no episódio do avião que caiu no estacionamento do maior shopping de Goiânia, o Flamboyant, após ser roubado no aeroclube de Luiziânia por Kléber Barbosa da Silva, de 31 anos. Ele morreu ao lado da filha de 5 anos. A mulher dele, Érika Corrêa dos Santos, de 23 anos, está na casa de parentes e deve prestar depoimento na semana que vem. Kléber havia sido identificado por uma menina de 13 anos, na cidade de Aparecida de Goiânia, como autor de seu estupro e já tinha passagens pela polícia por quatro crimes – estelionato, roubo, furto qualificado e lesão corporal.

O Ministério Público quer saber porque o Mirage não conseguiu forçar o pouso da aeronave antes que ela chegasse à área movimentada de Goiânia. Um dos objetivos do inquérito é saber se há falhas na segurança aérea brasileira, já que o avião foi roubado em Luziânia e viajou 180 quilômetros até Goiânia sem qualquer autorização.

Reprodução foto de família - O Popular/Agência O Globo Na capital goiana, a aeronave fez vários voos rasantes sobre prédios e parques. Cerca de 10 mil pessoas estavam no shopping no momento do acidente. Por sorte, ninguém se feriu. ( TV Globo: câmeras do shopping registram momento da queda )

– Havia entre as cidades uma grande área descampada para tentar forçar o pouso e adotar uma medida mais coercitiba – diz o procurador Raphael Perissé.

Érika chorou muito ao ler os jornais na manhã deste sábado e só dorme com medicamentos. Os resultados dos laudos da perícia devem sair em 30 dias. O IML coletou material do corpo de Kléber para comprovar a autoria do estupro do qual ele é acusado e para exames toxicológicos.

Segundo vizinhos, a família tinha relacionamento normal, mas Kléber estava sempre no prédio, mexendo no carro, e não trabalhava. Há informações que ele seria sustentado pela mãe, que moraria na Espanha. Não há informações precisas sobre como aprendeu a pilotar. Ele teria aprendido a pilotar ultraleve e usaria simuladores de vôo em jogos.

Kléber seria frequentador do aeroclube de Luiziânia, onde teria dito que alugaria uma aeronave para voo panorâmico com a filha. Depois, teria ameçado o piloto e decolado sozinho com a aeronave. A aeronave Tupi, prefixo PT-VFI, caiu no estacionamento do Shopping Flamboyant, matando duas pessoas, Kléber e a sua filha de cinco anos.

O MPF quer saber se órgãos de controle aéreo, como o Centro Integrado de Defesa Aérea e Controles de Tráfego Aéreo (Cindacta) e Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (Comdabra), teriam responsabilidades no episódio – especialmente, se houve negligência por parte de responsáveis pela segurança aérea, já que o piloto fez diversas manobras consideradas arriscadas antes de cair no shopping.

FAB divulga diálogo com pilotos

A Força Aérea Brasileira (FAB) divulgou nesta sexta-feira o diálogo com o piloto de Defesa Aérea pertencente ao Primeiro Grupo de Defesa Aérea (1º GDA), localizado na Base Aérea de Anápolis, que tentou interceptar a aeronave que caiu num shopping de Goiânia. De acordo com a FAB, o piloto de alerta decola sem as orientações específicas da missão que irá cumprir, recebendo os esclarecimentos detalhados durante o voo. Nesse diálogo, o piloto se identifica como YGQ por segurança. Após essas orientações iniciais, a conversa rádio é muito codificada, o que impossibilita a compreensão de quem não tem acesso aos códigos específicos para decifrá-la.

Leia o diálogo:

YGQ (PILOTO)- PROSSIGA!

BRASÍLIA – OK, NÓS TEMOS UMA AERONAVE ROUBADA, NA LOCALIDADE DE LUZIÂNIA. A MISSÃO É FAZER PROCURA BAIXA, NA POSIÇÃO QUE ESTÁ SOBREVOANDO NO MOMENTO. PROCURA RADAR BAIXA.

YGQ (PILOTO) – CIENTE

BRASÍLIA – ÚLTIMA INFORMAÇÃO ESTIMADA DA AERONAVE, UNO SETE ZERO MILHAS DE ANÁPOLIS. AERONAVE PEQUENO PORTE, VELOCIDADE EM TORNO DE CENTO E SESSENTA NÓS.

YGQ (PILOTO) – CIENTE.

YGQ (PILOTO) – CONFIRME! TÁ SE AFASTANDO DE ANÁPOLIS, ELA?

BRASÍLIA – CONFIRME?

YGQ (PILOTO) – ELA TAVA SE AFASTANDO DE ANÁPOLIS?

BRASÍLIA – ERA UMA PROA DE DUZENTOS E SESSENTA DA …DA…LOCALIDADE DE LUZIÂNIA.

YGQ (PILOTO) – CIENTE!

YGQ (PILOTO) – POR ENQUANTO NEGATIVO CONTATO RADAR, PRA INFORMAÇÃO TÁ VARRENDO DO CÉU A DEZENOVE MIL, TÁ INDIA MIKE CHARLIE.

BRASÍLIA – CIENTE!

YGQ – POSSIBILIDADE DE DESCER PRO UNO ZERO ZERO?

BRASÍLIA – AGUARDE COORDENAÇÃO.

Na seqüência, foi acionada outra aeronave de alerta de defesa aérea para acompanhar o avião, um T-27 TUCANO, permanecendo o MIRAGE 2000 em alerta em voo sobre Brasília.


Brasil – Planador cai de bico no Paraná e piloto de 72 anos sobrevive

Portal RPC, Gazeta do Povo

Reprodução Portal RPC/Afiliada TV Globo

CURITIBA – Um planador caiu em uma fazenda nas proximidades da BR-277, na altura de São Luiz do Purunã, região dos Campos Gerais, no Paraná, na tarde deste sábado. A aeronave era conduzida por Luiz Ivan Vasconcelos, 72 anos. Com as pernas quebradas, ferimentos pelo corpo, mas sem risco de morrer, ele foi levado para o pronto socorro do Hospital Nossa Senhora do Rocio, em Campo Largo.

O planador, que caiu de bico, ficou destruído. Segundo a concessionária Rodonorte, responsável pelo trecho da rodovia, o piloto participava de um evento de aviação na Fazenda Talia. Vasconcelos recebeu socorro de pessoas que estavam no local e só depois que já estava perto da rodovia foi atendido pelas equipes de resgate. O transporte até o hospital foi feito pelo helicóptero da Polícia Rodoviária Federal. O piloto estaria tentando pousar no aeroclube de Balsa Nova.


Brasil – Goiânia – MP vai apurar falhas no caso e PM faz reunião com a FAB

Rubens Santos, GOIÂNIA

Componentes.montarControleTexto(“ctrl_texto”)

O Ministério Público Federal (MPF) vai investigar a possibilidade de falhas de órgãos federais na queda do monomotor, segundo o procurador da República Raphael Perissé. “Deve-se estabelecer se houve ou não falhas na segurança do espaço aéreo brasileiro.”

“Precisamos saber qual foi a responsabilidade do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta) e do Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (Comdabra) no caso”, completou o também procurador Marcello Santiago Wolff. “Porque o Mirage – caça da Força Aérea Brasileira (FAB) – só faria a segurança de Brasília no episódio?”

Já o comandante-geral da Polícia Militar de Goiás, coronel Carlos Antonio Elias, convocou para a próxima semana uma reunião extraordinária para analisar o ataque ao shopping e estabelecer ações preventivas para casos semelhantes. “Eu fiz o percurso que ele (Kléber Barbosa da Silva) fez, verifiquei locais onde deu os rasantes e conclui que uma enorme tragédia poderia ter ocorrido”, disse ontem o coronel. O militar explicou que nessa reunião extraordinária serão destacadas as vulnerabilidades daquela área e definidas algumas medidas conjuntas com as forças de segurança, sobretudo a FAB.

Trata-se do segundo caso do gênero em Goiás. Em 29 de setembro de 1988, o maranhense Raimundo Nonato Alves da Conceição sequestrou um Boeing 737 da Vasp, em Belo Horizonte, e desviou para Brasília, onde pretendia lançar a aeronave sobre o Palácio do Planalto. Levado para Goiânia, atirou na perna do comandante Fernando Murilo de Lima como retaliação. Acabou detido e morto pela Polícia Federal.


Brasil – Goiânia – MP vai apurar falhas no caso e PM faz reunião com a FAB

Rubens Santos, GOIÂNIA

Componentes.montarControleTexto(“ctrl_texto”)

O Ministério Público Federal (MPF) vai investigar a possibilidade de falhas de órgãos federais na queda do monomotor, segundo o procurador da República Raphael Perissé. “Deve-se estabelecer se houve ou não falhas na segurança do espaço aéreo brasileiro.”

“Precisamos saber qual foi a responsabilidade do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta) e do Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (Comdabra) no caso”, completou o também procurador Marcello Santiago Wolff. “Porque o Mirage – caça da Força Aérea Brasileira (FAB) – só faria a segurança de Brasília no episódio?”

Já o comandante-geral da Polícia Militar de Goiás, coronel Carlos Antonio Elias, convocou para a próxima semana uma reunião extraordinária para analisar o ataque ao shopping e estabelecer ações preventivas para casos semelhantes. “Eu fiz o percurso que ele (Kléber Barbosa da Silva) fez, verifiquei locais onde deu os rasantes e conclui que uma enorme tragédia poderia ter ocorrido”, disse ontem o coronel. O militar explicou que nessa reunião extraordinária serão destacadas as vulnerabilidades daquela área e definidas algumas medidas conjuntas com as forças de segurança, sobretudo a FAB.

Trata-se do segundo caso do gênero em Goiás. Em 29 de setembro de 1988, o maranhense Raimundo Nonato Alves da Conceição sequestrou um Boeing 737 da Vasp, em Belo Horizonte, e desviou para Brasília, onde pretendia lançar a aeronave sobre o Palácio do Planalto. Levado para Goiânia, atirou na perna do comandante Fernando Murilo de Lima como retaliação. Acabou detido e morto pela Polícia Federal.